Síndrome de Burnout, cuidado você pode ter esse distúrbio.

Não é um Clickbait (caça-clique) é um assunto sério!

Um distúrbio que tem feito parte de muitos profissionais e me vi desenvolvendo ele por isso resolvi expor isso aqui.

Essa síndrome é um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, um estado de esgotamento físico e mental cuja causa está intimamente ligada à vida profissional.

Com a definição deu para se acalmar um pouco?

Então agora vamos falar um pouco mais sobre ela.

Essa síndrome pode ser conhecida também como síndrome do Esgotamento Profissional com sintomas de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico resultante de situações de trabalho desgastante, que demandam muita competitividade ou responsabilidade.

Se não tratada essa síndrome pode ser um gatilho para a depressão entre outros probleminhas como a síndrome do pânico.

Vamos para os principais sinais e sintomas que podem indicar a Síndrome de Burnout:

  • Cansaço excessivo, físico e mental.
  • Dor de cabeça frequente.
  • Alterações no apetite.
  • Insônia.
  • Dificuldades de concentração.
  • Sentimentos de fracasso e insegurança.
  • Negatividade constante.
  • Sentimentos de derrota e desesperança.
  • Sentimentos de incompetência.
  • Alterações repentinas de humor.
  • Isolamento.
  • Fadiga.
  • Pressão alta.
  • Dores musculares.
  • Problemas gastrointestinais.
  • Alteração nos batimentos cardíacos.

Esses sintomas surgem de forma leve e por isso muitas pessoas acham que pode ser algo passageiro, mas tendem a piorar com o passar dos dias.

O diagnóstico da Síndrome de Burnout é feita por profissional especialista após análise clínica do paciente.

O psiquiatra e o psicólogo são os profissionais de saúde indicados para identificar o problema e orientar a melhor forma do tratamento, conforme cada caso.

O tratamento da Síndrome de Burnout é feito basicamente com psicoterapia, mas também pode envolver medicamentos (antidepressivos e/ou ansiolíticos).

O tratamento normalmente surte efeito entre um e três meses, mas pode perdurar por mais tempo, conforme cada caso.

Mudanças nas condições de trabalho e, principalmente, mudanças nos hábitos e estilos de vida podem ajudar no tratamento.

A atividade física regular e os exercícios de relaxamento devem ser rotineiros, para aliviar o estresse e controlar os sintomas da doença.

A melhor forma de prevenir a Síndrome de Burnout são estratégicas que diminuam o estresse e a pressão no trabalho.

Outra conduta muito recomendada para prevenir a Síndrome de Burnout é descansar adequadamente, com boa noite de sono (pelo menos 8h diárias).

É fundamental manter o equilíbrio entre o trabalho, lazer, família, vida social e atividade.

Fonte e mais informações site Ministério da Saúde.

Bom, eu devo ter tido essa síndrome o ano passado após minha crise de bronquite, passei por muito estresse porque me forçava a trabalhar, seguir com minhas responsabilidades profissionais e pessoais, até que houve um momento que tive um ataque de pânico inexplicável e depois entrei num período em que alguns dos sintomas acima se fizeram presentes.

Não posso dizer que foi a síndrome porque não procurei profissionais e encarei como um momento de “ansiedade”, por isso resolvi abordar esse esse assunto aqui porque sei que muitos podem apresentar tais sinais e se puderem procurem uma ajuda profissional, temos vários psicólogos, psiquiatras fazendo atendimento online e que pode dar um diagnóstico melhor.

Agora você sabe porque as vezes desapareço, sim quando vejo que estou me sobrecarregando com cobranças por metas inatingíveis no momento antes de entrar na “neura” eu me afasto de tudo, dou um reset.

E por favor, não se automedique, procure ajuda de profissionais se possível.

Espero ter ajudado com esse post alerta.

Até o próximo post!!

Gratidão
Ma Moreira
Designer Gráfica, Empreendedora e Crafter

Venha fazer parte do nosso grupo no Facebook e se inscreva no canal.

“Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nele, e ele agirá…” Salmos 37:5

Photo by Yuris Alhumaydy on Unsplash

Deixe um comentário